NÃO É POSSIVEL CANCELAR UMA NF-e DENTRO DO PRAZO PARA CANCELAMENTO

Resumo: Solução para problema que impede de cancelar uma NF-e, apesar de estar dentro do prazo. £

MOTIVO:
Emissor de NFE encontra-se com Data e hora errados.

SOLUÇÃO:
Acesse Painel de controle - Data e hora Alterar fuso horário
Desabilitar ajuste automático do relógio para horário de verão

ABERTURA E ENCERRAMENTO DE ORDEM DE SERVIÇO

Resumo: Manual de como abrir e encerrar Ordens de Serviço. £

 

Serviços / Controles Técnicos / Ordem de Serviço

> Abertura

01 - Monte o filtro e clique no botão Pesquisar;

 

02 - Clique no botão Novo;

 

03 - Abas da tela:

 

03.01 - Aba Ordem de Serviço:

Dados Iniciais - Selecione o Departamento;
Alvo Atendimento - Selecione o Cliente e informe o Contato;
Atendimento - Informe o Tipo de Atendimento e o Serviço;
Agendamento - Informe Data Hora Agendamento Inicial, Final e Técnico;
Clique no botão Inserir.

 

03.02 - Aba Valores serve para que seja verificada a taxa do serviço, caso tenha;

 

03.03 - Aba Descrição serve para descrever o atendimento informando detalhes sobre os procedimentos feitos, soluções e observações.

 

03.04 - Aba Encerramento informa a hora do encerramento da O.S e o funcionário encerramento.

 

03.05 - Aba Visitas informa a data e hora inicial de agendamento, data e hora final de agendamento e técnico conforme dados lançados na aba Ordem de Serviços/Dados Iniciais. Data e Hora Inicial Realizada e Data e Hora Final Realizada são informados conforme dados preenchidos no encerramento da O.S. Na aba Visitas pode ser descrito alguma informação referente à visita realizada pelo técnico. Ao encerrar a O.S a visita é fechada, se a Ordem for reaberta, uma nova visita é lançada.

 

> Encerramento

01 - Baixa Ordem Serviço Encerramento. Ordem de Serviço aberta na tela:

 

01.01 - Clique em Baixa Ordem Serviço Encerramento;

 

01.02 - Preencha os seguintes dados:

Data / Hora de Encerramento;
Marcar Vistoria;
Funcionário de Encerramento;
Data / Hora Inicial e Data / Hora Final;

 

01.03 - Para confirmar, clique em Ok.

 

02 - Baixa Ordem Serviço por Técnico Externo. Ordem de Serviço aberta na tela:

 

02.01 - Clique em Baixar Ordem Serv. / Técnico;

 

02.02 - Preencha os seguintes dados:

Data / Hora de Notificação de Encerramento;
Encerrar Ordem de Serviço;
Data / Hora Inicial e Data / Hora Final;
Solução.

 

02.03 - Para confirmar, clique em Ok.

LIMPEZA DO CACHE DE NAVEGADORES

Resumo: Mostra como realizar a limpeza de cache nos navegadores Google Chrome e Mozilla Firefox.£

 

A limpeza do cache de navegação evita o carregamento de informações erradas no navegador.

 

GOOGLE CHROME: Digite Ctrl + Shift + Del (Limpar dados de navegação) e marque/deixe marcada a opção "Imagens e arquivos armazenados em cache", depois confirme.

MOZILLA FIREFOX: Digite Ctrl + Shift + Del (Limpar Histórico Recente) e marque/deixe marcada a opção "Cache", depois confirme.

Obs.: Essas opções podem ser encontradas no navegador selecionando opções, os atalhos de teclado apenas agilizam o processo. A limpeza de outros itens da lista de Histórico de cada navegador fica a critério do usuário. Este processo não oferece perigo para a máquina, apenas limpa diferentes tipos de dados temporários salvos.

REQUISITOS DE HARDWARE E SOFTWARE MYHEAVEN

Resumo: Traz informações sobre requisitos de sistema para o uso do MyHeaven. £

 

Requisitos recomendados de SOFTWARE para uso do MyHeaven

Sistema Operacional = Windows 7 32 Bit / 64 Bit, Windows 8 32 Bit / 64 Bit, Windows 8.1 32 Bit / 64 bit, Windows 10 32 Bit / 64 Bit, Windows Phone e Android 4.0 ou superior (Importante ressaltar que o sistema funciona através de navegador, mas em alguns casos é preciso utilizar softwares complementares, por isso a importância de usar sistema operacional Windows, pois os mesmos não funcionam em MAC OS e Linux)
Navegadores = Google Chrome, Mozilla Firefox (Utilizar sempre a resolução padrão indica pelo navegador)
Certificado Digital = A1

Requisitos recomendados de HARDWARE para uso do MyHeaven

Computador, Notebook e Netbook
Processador = Intel i3 ou superior e Athlon II X2 ou superior
Memória = 4 Gb
Espaço HD = 40 Gb (Por se tratar de um sistema em nuvem, o espaço físico para o computador torna-se indiferente)
Vídeo = Utilizar sempre a resolução padrão indicada pelo sistema operacional para o monitor.

Tablet e Smartphone
Processador = Dual Core 1.7 GHZ ou superior
Memória RAM = 1 Gb ou superior

Conexão Internet
Velocidade = 5 Megas ou superior (estável).

REQUISITOS DE HARDWARE E SOFTWARE PDVMYHEAVEN

Resumo: Traz informações sobre requisitos de sistema para o uso do PDV MyHeaven. £

 

Requisito de Hardware e Software MyHeaven Requisitos recomendados de SOFTWARE para uso do PDVMyHeaven

Sistema Operacional = Windows 7 32 Bit / 64 Bit, Windows 8 32 Bit / 64 Bit, Windows 8.1 32 Bit / 64 bit, Windows 10 32 Bit / 64 Bit, Windows Phone e Android 4.0 ou superior
Navegadores = Mozilla Firefox (Preferencial) e Google Chrome (Utilizar sempre a resolução padrão indica pelo navegador)
Certificado Digital = A1

Requisitos recomendados de HARDWARE para uso do PDVMyHeaven

Computador, Notebook e Netbook
Processador = Intel i3 ou superior e Athlon II X2 ou superior
Memória = 2 Gb ou superior
Espaço HD = 40 Gb ou superior
Vídeo = Utilizar sempre a resolução padrão indicada pelo sistema operacional para o monitor.

Tablet e Smartphone
Processador = Dual Core 1.7 GHZ ou superior
Memória RAM = 1 Gb ou superior

Conexão Internet
Velocidade = 2 Megas ou superior (estável).
Impressora Não Fiscal
Modelos = Daruma, Bematech e Elgin (Não nos responsabilizamos pela instalação de Impressoras)
Impressora Desktop
Não existe contra indicação. Leitor Código de Barra
Modelos = Elgin e Bematech
Rede
Preferencialmente usar rede cabeada, para evitar lentidão e perda de dados

CÓDIGOS DE ENQUADRAMENTO DO IPI (2015)

Resumo: Traz detalhes sobre novos enquadramentos do IPI a partir de 01/12/2015. £

 

NT 2015.002 Código enquadramento legal do IPI

A NT 2015.002 apresentou a tabela de códigos do enquadramento legal do IPI (cEnq) que deverá ser informado para os itens da nota fiscal. Para mais informações clique no: link
Esta codificação deverá ser informada à partir de 01/12/2015.
Os códigos informados devem ser compatíveis com a CST (código da situação tributária) do IPI, caso contrário haverá rejeição da nota fiscal impedindo a autorização da NF-e. Abaixo segue a lista de códigos que são permitidos para as CST do IPI, qualquer dúvida entre em contato com o Contador Responsável pela sua empresa.

A NÃO ADEQUAÇÃO A NOVA TABELA IMPEDIRÁ A AUTORIZAÇÃO DA NFe

CST 02 (Entrada isenta) e 52 (Saída isenta)

  • 301 Produtos industrializados por instituições de educação ou de assistência social, destinados a uso próprio ou a distribuição gratuita a seus educandos ou assistidos -; Art. 54 Inciso I do Decreto 7.212/2010
  • 302 Produtos industrializados por estabelecimentos públicos e autárquicos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, não destinados a comércio -; Art. 54 Inciso II do Decreto 7.212/2010
  • 303 Amostras de produtos para distribuição gratuita, de diminuto ou nenhum valor comercial -; Art. 54 Inciso III do Decreto 7.212/2010
  • 304 Amostras de tecidos sem valor comercial -; Art. 54 Inciso IV do Decreto 7.212/2010
  • 305 Pés isolados de calçados -; Art. 54 Inciso V do Decreto 7.212/2010
  • 306 Aeronaves de uso militar e suas partes e peças, vendidas à União -; Art. 54 Inciso VI do Decreto 7.212/2010
  • 307 Caixões funerários -; Art. 54 Inciso VII do Decreto 7.212/2010
  • 308 Papel destinado à impressão de músicas -; Art. 54 Inciso VIII do Decreto 7.212/2010
  • 309 Panelas e outros artefatos semelhantes, de uso doméstico, de fabricação rústica, de pedra ou barro bruto -; Art. 54 Inciso IX do Decreto 7.212/2010
  • 310 Chapéus, roupas e proteção, de couro, próprios para tropeiros -; Art. 54 Inciso X do Decreto 7.212/2010
  • 311 Material bélico, de uso privativo das Forças Armadas, vendido à União -; Art. 54 Inciso XI do Decreto 7.212/2010
  • 312 Automóvel adquirido diretamente a fabricante nacional, pelas missões diplomáticas e repartições consulares de caráter permanente, ou seus integrantes, bem assim pelas representações internacionais ou regionais de que o Brasil seja membro, e seus funcionários, peritos, técnicos e consultores, de nacionalidade estrangeira, que exerçam funções de caráter permanente -; Art. 54 Inciso XII do Decreto 7.212/2010
  • 313 Veículo de fabricação nacional adquirido por funcionário das missões diplomáticas acreditadas junto ao Governo Brasileiro -; Art. 54 Inciso XIII do Decreto 7.212/2010
  • 314 Produtos nacionais saídos diretamente para Lojas Francas -; Art. 54 Inciso XIV do Decreto 7.212/2010
  • 315 Materiais e equipamentos destinados a Itaipu Binacional -; Art. 54 Inciso XV do Decreto 7.212/2010
  • 316 Produtos Importados por missões diplomáticas, consulados ou organismo internacional -; Art. 54 Inciso XVI do Decreto 7.212/2010
  • 317 Bagagem de passageiros desembaraçada com isenção do II. -; Art. 54 Inciso XVII do Decreto 7.212/2010
  • 318 Bagagem de passageiros desembaraçada com pagamento do II. -; Art. 54 Inciso XVIII do Decreto 7.212/2010
  • 319 Remessas postais internacionais sujeitas a tributação simplificada. -; Art. 54 Inciso XIX do Decreto 7.212/2010
  • 320 Máquinas e outros destinados à pesquisa científica e tecnológica -; Art. 54 Inciso XX do Decreto 7.212/2010
  • 321 Produtos de procedência estrangeira, isentos do II conforme Lei nº 8032/1990. -; Art. 54 Inciso XXI do Decreto 7.212/2010
  • 322 Produtos de procedência estrangeira utilizados em eventos esportivos -; Art. 54 Inciso XXII do Decreto 7.212/2010
  • 323 Veículos automotores, máquinas, equipamentos, bem assim suas partes e peças separadas, destinadas à utilização nas atividades dos Corpos de Bombeiros -; Art. 54 Inciso XXIII do Decreto 7.212/2010
  • 324 Produtos importados para consumo em congressos, feiras e exposições -; Art. 54 Inciso XXIV do Decreto 7.212/2010
  • 325 Bens de informática, Matéria Prima, produtos intermediários e embalagem destinados a Urnas eletrônicas -; TSE -; Art. 54 Inciso XXV do Decreto 7.212/2010
  • 326 Materiais, equipamentos, máquinas, aparelhos e instrumentos, bem assim os respectivos acessórios, sobressalentes e ferramentas, que os acompanhem, destinados à construção do Gasoduto Brasil -; Bolívia -; Art. 54 Inciso XXVI do Decreto 7.212/2010
  • 327 Partes, peças e componentes, adquiridos por estaleiros navais brasileiros, destinados ao emprego na conservação, modernização, conversão ou reparo de embarcações registradas no Registro Especial Brasileiro -; REB -; Art. 54 Inciso XXVII do Decreto 7.212/2010
  • 328 Aparelhos transmissores e receptores de radiotelefonia e radiotelegrafia; veículos para patrulhamento policial; armas e munições, destinados a órgãos de segurança pública da União, dos Estados e do Distrito Federal -; Art. 54 Inciso XXVIII do Decreto 7.212/2010
  • 329 Automóveis de passageiros de fabricação nacional destinados à utilização como táxi adquiridos por motoristas profissionais -; Art. 55 Inciso I do Decreto 7.212/2010
  • 330 Automóveis de passageiros de fabricação nacional destinados à utilização como táxi por impedidos de exercer atividade por destruição, furto ou roubo do veículo adquiridos por motoristas profissionais. -; Art. 55 Inciso II do Decreto 7.212/2010
  • 331 Automóveis de passageiros de fabricação nacional destinados à utilização como táxi adquiridos por cooperativas de trabalho. -; Art. 55 Inciso II do Decreto 7.212/2010
  • 332 Automóveis de passageiros de fabricação nacional, destinados a pessoas portadoras de deficiência física, visual, mental severa ou profunda, ou autistas -; Art. 55 Inciso IV do Nota Fiscal eletrônica Decreto 7.212/2010
  • 333 Produtos estrangeiros, recebidos em doação de representações diplomáticas estrangeiras sediadas no País, vendidos em feiras, bazares e eventos semelhantes por entidades beneficentes -; Art. 67 do Decreto 7.212/2010
  • 334 Produtos industrializados na Zona Franca de Manaus -; ZFM, destinados ao seu consumo interno -; Art. 81 Inciso I do Decreto 7.212/2010
  • 335 Produtos industrializados na ZFM, por estabelecimentos com projetos aprovados pela SUFRAMA, destinados a comercialização em qualquer outro ponto do Território Nacional -; Art. 81 Inciso II do Decreto 7.212/2010
  • 336 Produtos nacionais destinados à entrada na ZFM, para seu consumo interno, utilização ou industrialização, ou ainda, para serem remetidos, por intermédio de seus entrepostos, à Amazônia Ocidental -; Art. 81 Inciso III do Decreto 7.212/2010
  • 337 Produtos industrializados por estabelecimentos com projetos aprovados pela SUFRAMA, consumidos ou utilizados na Amazônia Ocidental, ou adquiridos através da ZFM ou de seus entrepostos na referida região -; Art. 95 Inciso I do Decreto 7.212/2010
  • 338 Produtos de procedência estrangeira, relacionados na legislação, oriundos da ZFM e que derem entrada na Amazônia Ocidental para ali serem consumidos ou utilizados: -; Art. 95 Inciso II do Decreto 7.212/2010
  • 339 Produtos elaborados com matérias-primas agrícolas e extrativas vegetais de produção regional, por estabelecimentos industriais localizados na Amazônia Ocidental, com projetos aprovados pela SUFRAMA -; Art. 95 Inciso III do Decreto 7.212/2010
  • 340 Produtos industrializados em Área de Livre Comércio -; Art. 105 do Decreto 7.212/2010
  • 341 Produtos nacionais ou nacionalizados, destinados à entrada na Área de Livre Comércio de Tabatinga -; ALCT -; Art. 107 do Decreto 7.212/2010
  • 342 Produtos nacionais ou nacionalizados, destinados à entrada na Área de Livre Comércio de Guajará-Mirim -; ALCGM -; Art. 110 do Decreto 7.212/2010
  • 343 Produtos nacionais ou nacionalizados, destinados à entrada nas Áreas de Livre Comércio de Boa Vista -; ALCBV e Bonfim -; ALCB -; Art. 113 do Decreto 7.212/2010
  • 344 Produtos nacionais ou nacionalizados, destinados à entrada na Área de Livre Comércio de Macapá e Santana -; ALCMS -; Art. 117 do Decreto 7.212/2010
  • 345 Produtos nacionais ou nacionalizados, destinados à entrada nas Áreas de Livre Comércio de Brasiléia -; ALCB e de Cruzeiro do Sul -; ALCCS -; Art. 120 do Decreto 7.212/2010
  • 346 Recompe -; equipamentos de informática -; de beneficiário do regime para escolas das redes públicas de ensino federal, estadual, distrital, municipal ou nas escolas sem fins lucrativos de atendimento a pessoas com deficiência -; Decreto nº 7.243/2010, art. 7º
  • 347 Rio 2016 -; Importação de materiais para os jogos (medalhas, troféus, impressos, bens não duráveis, etc.) -; Lei nº 12.780/2013, Art. 4º, §1º, I
  • 348 Rio 2016 -; Suspensão convertida em Isenção -; Lei nº 12.780/2013, Art. 6º, I
  • 349 Rio 2016 -; Empresas vinculadas ao CIO -; Lei nº 12.780/2013, Art. 9º, I, d
  • 350 Rio 2016 -; Saída de produtos importados pelo RIO 2016 -; Lei nº 12.780/2013, Art. 10, I, d
  • 351 Rio 2016 -; Produtos nacionais, não duráveis, uso e consumo dos eventos, adquiridos pelas pessoas jurídicas mencionadas no § 2o do art. 4o da Lei nº 12.780/2013 -; Lei nº 12.780/2013, Art. 12

CST 04 (Entrada imune) e 54 (Saída imune)

  • 001 Livros, jornais, periódicos e o papel destinado à sua impressão -; Art. 18 Inciso I do Decreto 7.212/2010
  • 002 Produtos industrializados destinados ao exterior -; Art. 18 Inciso II do Decreto 7.212/2010
  • 003 Ouro, definido em lei como ativo financeiro ou instrumento cambial -; Art. 18 Inciso III do Decreto 7.212/2010
  • 004 Energia elétrica, derivados de petróleo, combustíveis e minerais do País -; Art. 18 Inciso IV do Decreto 7.212/2010
  • 005 Exportação de produtos nacionais -; sem saída do território brasileiro -; venda para empresa sediada no exterior -; atividades de pesquisa ou lavra de jazidas de petróleo e de gás natural -; Art. 19 Inciso I do Decreto 7.212/2010
  • 006 Exportação de produtos nacionais -; sem saída do território brasileiro -; venda para empresa sediada no exterior -; incorporados a produto final exportado para o Brasil -; Art. 19 Inciso II do Decreto 7.212/2010
  • 007 Exportação de produtos nacionais -; sem saída do território brasileiro -; venda para órgão ou entidade de governo estrangeiro ou organismo internacional de que o Brasil seja membro, para ser entregue, no País, à ordem do comprador -; Art. 19 Inciso III do Decreto 7.212/2010

CST 05 (Entrada com suspensão) e 55 (Saída com suspensão)

  • 101 Óleo de menta em bruto, produzido por lavradores -; Art. 43 Inciso I do Decreto 7.212/2010
  • 102 Produtos remetidos à exposição em feiras de amostras e promoções semelhantes -; Art. 43 Inciso II do Decreto 7.212/2010
  • 103 Produtos remetidos a depósitos fechados ou armazéns-gerais, bem assim aqueles devolvidos ao remetente -; Art. 43 Inciso III do Decreto 7.212/2010
  • 104 Produtos industrializados, que com matérias-primas (MP), produtos intermediários (PI) e material de embalagem (ME) importados submetidos a regime aduaneiro especial (drawback -; suspensão/isenção), remetidos diretamente a empresas industriais exportadoras -; Art. 43 Inciso IV do Decreto 7.212/2010
  • 105 Produtos, destinados à exportação, que saiam do estabelecimento industrial para empresas comerciais exportadoras, com o fim específico de exportação -; Art. 43, Inciso V, alínea ?a? do Decreto 7.212/2010
  • 106 Produtos, destinados à exportação, que saiam do estabelecimento industrial para recintos alfandegados onde se processe o despacho aduaneiro de exportação -; Art. 43, Inciso V, alíneas ?b? do Decreto 7.212/2010
  • 107 Produtos, destinados à exportação, que saiam do estabelecimento industrial para outros locais onde se processe o despacho aduaneiro de exportação -; Art. 43, Inciso V, alíneas ?c? do Decreto 7.212/2010
  • 108 Matérias-primas (MP), produtos intermediários (PI) e material de embalagem (ME) destinados ao executor de industrialização por encomenda -; Art. 43 Inciso VI do Decreto 7.212/2010
  • 109 Produtos industrializados por encomenda remetidos ao estabelecimento de origem -; Art. 43 Inciso VII do Decreto 7.212/2010
  • 110 Matérias-primas ou produtos intermediários remetidos para emprego em operação industrial realizada pelo remetente fora do estabelecimento -; Art. 43 Inciso VIII do Decreto 7.212/2010
  • 111 Veículo, aeronave ou embarcação destinados a emprego em provas de engenharia pelo fabricante -; Art. 43 Inciso IX do Decreto 7.212/2010
  • 112 Produtos remetidos, para industrialização ou comércio, de um para outro estabelecimento da mesma firma -; Art. 43 Inciso X do Decreto 7.212/2010
  • 113 Bens do ativo permanente remetidos a outro estabelecimento da mesma firma, para serem utilizados no processo industrial do recebedor -; Art. 43 Inciso XI do Decreto 7.212/2010
  • 114 Bens do ativo permanente remetidos a outro estabelecimento, para serem utilizados no processo industrial de produtos encomendados pelo remetente -; Art. 43 Inciso XII do Decreto 7.212/2010
  • 115 Partes e peças destinadas ao reparo de produtos com defeito de fabricação, quando a operação for executada gratuitamente, em virtude de garantia -; Art. 43 Inciso XIII do Decreto 7.212/2010
  • 116 Matérias-primas (MP), produtos intermediários (PI) e material de embalagem (ME) de fabricação nacional, vendidos a estabelecimento industrial, para industrialização de produtos destinados à exportação ou a estabelecimento comercial, para industrialização em outro estabelecimento da mesma firma ou de terceiro, de produto destinado à exportação -; Nota Fiscal eletrônica Art. 43 Inciso XIV do Decreto 7.212/2010
  • 117 Produtos para emprego ou consumo na industrialização ou elaboração de produto a ser exportado, adquiridos no mercado interno ou importados -; Art. 43 Inciso XV do Decreto 7.212/2010
  • 118 Bebidas alcóolicas e demais produtos de produção nacional acondicionados em recipientes de capacidade superior ao limite máximo permitido para venda a varejo -; Art. 44 do Decreto 7.212/2010
  • 119 Produtos classificados NCM 21.06.90.10 Ex 02, 22.01, 22.02, exceto os Ex 01 e Ex 02 do Código 22.02.90.00 e 22.03 saídos de estabelecimento industrial destinado a comercial equiparado a industrial -; Art. 45 Inciso I do Decreto7.212/2010
  • 120 Produtos classificados NCM 21.06.90.10 Ex 02, 22.01, 22.02, exceto os Ex 01 e Ex 02 do Código 22.02.90.00 e 22.03 saídos de estabelecimento comercial equiparado a industrial destinado a equiparado a industrial -; Art. 45 Inciso II do Decreto7.212/2010
  • 121 Produtos classificados NCM 21.06.90.10 Ex 02, 22.01, 22.02, exceto os Ex 01 e Ex 02 do Código 22.02.90.00 e 22.03 saídos de importador destinado a equiparado a industrial -; Art. 45 Inciso III do Decreto7.212/2010
  • 122 Matérias-primas (MP), produtos intermediários (PI) e material de embalagem (ME) destinados a estabelecimento que se dedique à elaboração de produtos classificados nos códigos previstos no art. 25 da Lei 10.684/2003 -; Art. 46 Inciso I do Decreto 7.212/2010
  • 123 Matérias-primas (MP), produtos intermediários (PI) e material de embalagem (ME) adquiridos por estabelecimentos industriais fabricantes de partes e peças destinadas a estabelecimento industrial fabricante de produto classificado no Capítulo 88 da Tipi -; Art. 46 Inciso II do Decreto 7.212/2010
  • 124 Matérias-primas (MP), produtos intermediários (PI) e material de embalagem (ME) adquiridos por pessoas jurídicas preponderantemente exportadoras -; Art. 46 Inciso III do Decreto 7.212/2010
  • 125 Materiais e equipamentos destinados a embarcações pré-registradas ou registradas no Registro Especial Brasileira -; REB quando adquiridos por estaleiros navais brasileiros -; Art. 46 Inciso IV do Decreto 7.212/2010
  • 126 Aquisição por beneficiário de regime aduaneiro suspensivo do imposto, destinado a industrialização para exportação -; Art. 47 do Decreto 7.212/2010
  • 127 Desembaraço de produtos de procedência estrangeira importados por lojas francas -; Art. 48 Inciso I do Decreto 7.212/2010
  • 128 Desembaraço de maquinas, equipamentos, veículos, aparelhos e instrumentos sem similar nacional importados por empresas nacionais de engenharia, destinados à execução de obras no exterior -; Art. 48 Inciso II do Decreto 7.212/2010
  • 129 Desembaraço de produtos de procedência estrangeira com saída de repartições aduaneiras com suspensão do Imposto de Importação -; Art. 48 Inciso III do Decreto 7.212/2010
  • 130 Desembaraço de matérias-primas, produtos intermediários e materiais de embalagem, importados diretamente por estabelecimento de que tratam os incisos I a III do caput do Decreto 7.212/2010 -; Art. 48 Inciso IV do Decreto 7.212/2010
  • 131 Remessa de produtos para a ZFM destinados ao seu consumo interno, utilização ou industrialização -; Art. 84 do Decreto 7.212/2010
  • 132 Remessa de produtos para a ZFM destinados à exportação -; Art. 85 Inciso I do Decreto 7.212/2010
  • 133 Produtos que, antes de sua remessa à ZFM, forem enviados pelo seu fabricante a outro estabelecimento, para industrialização adicional, por conta e ordem do destinatário -; Art. 85 Inciso II do Decreto 7.212/2010
  • 134 Desembaraço de produtos de procedência estrangeira importados pela ZFM quando ali consumidos ou utilizados, exceto armas, munições, fumo, bebidas alcoólicas e automóveis de passageiros. -; Art. 86 do Decreto 7.212/2010
  • 135 Remessa de produtos para a Amazônia Ocidental destinados ao seu consumo interno ou utilização -; Art. 96 do Decreto 7.212/2010
  • 136 Entrada de produtos estrangeiros na Área de Livre Comércio de Tabatinga -; ALCT destinados ao seu consumo interno ou utilização -; Art. 106 do Decreto 7.212/2010
  • 137 Entrada de produtos estrangeiros na Área de Livre Comércio de Guajará-Mirim -; ALCGM destinados ao seu consumo interno ou utilização -; Art. 109 do Decreto 7.212/2010
  • 138 Entrada de produtos estrangeiros nas Áreas de Livre Comércio de Boa Vista -; ALCBV e Bomfim -; ALCB destinados a seu consumo interno ou utilização -; Art. 112 do Decreto 7.212/2010
  • 139 Entrada de produtos estrangeiros na Área de Livre Comércio de Macapá e Santana -; ALCMS destinados a seu consumo interno ou utilização -; Art. 116 do Decreto 7.212/2010
  • 140 Entrada de produtos estrangeiros nas Áreas de Livre Comércio de Brasiléia -; ALCB e de Cruzeiro do Sul -; ALCCS destinados a seu consumo interno ou utilização -; Art. 119 do Decreto 7.212/2010
  • 141 Remessa para Zona de Processamento de Exportação -; ZPE -; Art. 121 do Decreto 7.212/2010
  • 142 Setor Automotivo -; Desembaraço aduaneiro, chassis e outros -; regime aduaneiro especial -; industrialização 87.01 a 87.05 -; Art. 136, I do Decreto 7.212/2010
  • 143 Setor Automotivo -; Do estabelecimento industrial produtos 87.01 a 87.05 da TIPI -; mercado interno -; empresa comercial atacadista controlada por PJ encomendante do exterior. -; Art. 136, II do Decreto 7.212/2010
  • 144 Setor Automotivo -; Do estabelecimento industrial -; chassis e outros classificados nas posições 84.29, 84.32, 84.33, 87.01 a 87.06 e 87.11 da TIPI. -; Art. 136, III do Decreto 7.212/2010
  • 145 Setor Automotivo -; Desembaraço aduaneiro, chassis e outros classificados nas posições 84.29, 84.32, 84.33, 87.01 a 87.06 e 87.11 da TIPI quando importados diretamente por estabelecimento industrial -; Art. 136, IV do Decreto 7.212/2010
  • 146 Setor Automotivo -; do estabelecimento industrial matérias-primas, os produtos intermediários e os materiais de embalagem, adquiridos por fabricantes, preponderantemente, de componentes, chassis e outros classificados nos Códigos 84.29, 8432.40.00, 8432.80.00, 8433.20, 8433.30.00, 8433.40.00, 8433.5 e 87.01 a 87.06 da TIPI -; Art. 136, V do Decreto 7.212/2010
  • 147 Setor Automotivo -; Desembaraço aduaneiro, as matérias-primas, os produtos intermediários e os materiais de embalagem, importados diretamente por fabricantes, preponderantemente, de componentes, chassis e outros classificados nos Códigos 84.29, 8432.40.00, 8432.80.00, 8433.20, 8433.30.00, 8433.40.00, 8433.5 e 87.01 a 87.06 da TIPI -; Art. 136, VI do Decreto 7.212/2010
  • 148 Bens de Informática e Automação -; matérias-primas, os produtos intermediários e os materiais de embalagem, quando adquiridos por estabelecimentos industriais fabricantes dos referidos bens. -; Art. 148 do Decreto 7.212/2010
  • 149 Reporto -; Saída de Estabelecimento de máquinas e outros quando adquiridos por beneficiários do REPORTO -; Art. 166, I do Decreto 7.212/2010
  • 150 Reporto -; Desembaraço aduaneiro de máquinas e outros quando adquiridos por beneficiários do REPORTO -; Art. 166, II do Decreto 7.212/2010
  • 151 Repes -; Desembaraço aduaneiro -; bens sem similar nacional importados por beneficiários do REPES -; Art. 171 do Decreto 7.212/2010
  • 152 Recine -; Saída para beneficiário do regime -; Art. 14, III da Lei 12.599/2012
  • 153 Recine -; Desembaraço aduaneiro por beneficiário do regime -; Art. 14, IV da Lei 12.599/2012
  • 154 Reif -; Saída para beneficiário do regime -; Lei 12.794/1013, art. 8, III
  • 155 Reif -; Desembaraço aduaneiro por beneficiário do regime -; Lei 12.794/1013, art. 8, IV
  • 156 Repnbl-Redes -; Saída para beneficiário do regime -; Lei nº 12.715/2012, art. 30, II
  • 157 Recompe -; Saída de matérias-primas e produtos intermediários para beneficiários do regime -; Decreto nº 7.243/2010, art. 5º, I
  • 158 Recompe -; Saída de matérias-primas e produtos intermediários destinados a industrialização de equipamentos -; Programa Estímulo Universidade-Empresa -; Apoio à Inovação -; Decreto nº 7.243/2010, art. 5º, III
  • 159 Rio 2016 -; Produtos nacionais, duráveis, uso e consumo dos eventos, adquiridos pelas pessoas jurídicas mencionadas no § 2o do art. 4o da Lei nº 12.780/2013 -; Lei nº 12.780/2013, Art. 13

Para redução

  • 601 Equipamentos e outros destinados à pesquisa e ao desenvolvimento tecnológico -; Art. 72 do Decreto 7.212/2010
  • 602 Equipamentos e outros destinados à empresas habilitadas no PDTI e PDTA utilizados em pesquisa e ao desenvolvimento tecnológico -; Art. 73 do Decreto 7.212/2010
  • 603 Microcomputadores e outros de até R$11.000,00, unidades de disco, circuitos, etc, destinados a bens de informática ou automação. Centro-Oeste SUDAM SUDENE -; Art. 142, I do Decreto 7.212/2010
  • 604 Microcomputadores e outros de até R$11.000,00, unidades de disco, circuitos, etc, destinados a bens de informática ou automação. -; Art. 142, I do Decreto 7.212/2010
  • 605 Bens de informática não incluídos no art. 142 do Decreto 7.212/2010 -; Produzidos no Centro-Oeste, SUDAM, SUDENE -; Art. 143, I do Decreto 7.212/2010
  • 606 Bens de informática não incluídos no art. 142 do Decreto 7.212/2010 -; Art. 143, II do Decreto 7.212/2010
  • 607 Padis -; Art. 150 do Decreto 7.212/2010
  • 608 Patvd -; Art. 158 do Decreto 7.212/2010

PASSOS PARA ENTREGA DO CERTIFICADO DIGITAL A1

Resumo: Passos genéricos para obtenção e envio do Certificado Digital A1 para ser instalado no MyHeaven. £

1 - Contate uma Certificadora a sua escolha e adquira seu Certificado Digital A1;
2 - Após a aquisição, a Certificadora lhe enviará um número de protocolo e senha para emitir seu Certificado. Siga o passo a passo também fornecido pela mesma para concluir a emissão.
2.1 - Ele deve exportar o Certificado em um arquivo de extensão PFX (normalmente), guarde este arquivo e faça backup dele.
3 - Instale o Certificado em seu computador, dando duplo-clique em seu arquivo e inserindo a senha;
4 - Acesse o site da Secretaria de Fazenda (Exemplo: http://www.fazenda.rj.gov.br/sefaz) do seu Estado:
4.1 - Procure e selecione a opção Manutenção CSC (Código de Segurança do Contribuinte);
4.2 - O site irá solicitar que selecione seu Certificado Digital, selecione;
4.3 - Na página a seguir, gere os códigos CSC para Teste (Homologação) e Produção;
4.4 - Anote ambos os códigos de CSC e a ID atrelada aos mesmos.
5 - Envie para a Tec Software, através do email suporte@tecsoftware.com.br:
5.1 - Certificado Digital A1 (arquivo de extensão PFX) anexado ao email;
5.2 - A senha do Certificado Digital no corpo do email;
5.3 - Os dois códigos CSC de Teste e Produção com seus IDs no corpo do email.

COMO FAZER DOWNLOAD DE ARQUIVOS XML DE NF-e E NFC-e?

Resumo: Mostra como gerar a lista de XML das NF-e ou NFC-e do mês para envio ao contador. £

Para NFe:
- Acesse - Comercial / Movimentações / Nota Fiscal Eletrônica;
- Selecione as notas cujo XML deve ser baixado nas caixas de seleção à esquerda de cada uma;
- Clique no botão Download XML;
- Um arquivo RAR (compactado) será baixado, dentro do mesmo estarão os XML de todas as notas selecionadas.

Para NFCe:
- Acesse - Comercial / Movimentações / Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica;
- Selecione as notas cujo XML deve ser baixado nas caixas de seleção à esquerda de cada uma;
- Clique no botão Download XML;
- Um arquivo RAR (compactado) será baixado, dentro do mesmo estarão os XML de todas as notas selecionadas.

OBS: Use o botão Pesquisar para filtrar os resultados da tela, por intervalo de datas por exemplo. Para tirar as XML do mês, use o filtro de Data com intervalo referente ao mês desejado e o Status Aprovada. O resultado será a lista de todas as notas aprovadas do mês, selecione tudo e clique em Download XML.

CONFIGURAÇÕES: GERAR ORDENS DE SERVIÇOS/EQUIPAMENTOS 

Resumo: Passo a passo de como gerar Ordens de Serviço automaticamente com diversas periodicidades. £

 

Configuração / Parâmetros do Sistema. 

idTipoAtendimentoManutencao - Define o ID do Tipo de Atendimento que será inserido na Ordem de Serviço;

 

idTipoServicoManutencao - Define o ID do Serviço que será inserido na Ordem de Serviço;

 

idTipoDepartamentoManutencao - Define o ID do Departamento que será inserido na Ordem de Serviço.

 

Configuração / Grupos de Usuários. Itens de Acesso.

numPontosAjustado - Define se o campo Nº Pontos virá setado por padrão com 1 (habilitado) ou 0 (desabilitado).

 

 

> Ordem de uso de telas.

 

01 - Serviços / Gestão de Equipamentos / Equipamentos - Realizar o cadastro dos equipamentos;

 

02 - Serviços / Contratos / Contratos - Criar o contrato com o cliente e atrelar os equipamentos ao contrato;

 

03 - Serviços / Contratos / Gerar Ordens de Serviços/Equipamentos - Gerar automaticamente as Ordens de Serviço.

COMO ALTERAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR DA NF-e

Resumo: Mostra como definir o texto a ser usado nas Informações Complementares da NF-e. £

Configuração / Parâmetros do sistema / Texto da Informação Complementar (textoInfoComplAutomatica)

01) Clicar no ícone do lápis (editar);

02) Inserir a mensagem desejada no campo "valor";

03) Clicar em "alterar".

CONFIGURAÇÕES: MENU DO CLIENTE COM USUÁRIO

Resumo: Passo a passo para configurar o Menu do Cliente com subusuários (responsáveis). £

Configuração / Parâmetros do Sistema.

tipoMenuCliente - Define se o Menu do Cliente terá campos de usuário e senha. Tipo Usuário;

 

camposMenuCliente - Define quais opções o Menu do Cliente trará;

  

Administrativo / Clientes.

01 - Após criar ou clicar em editar (lápis) um cadastro de Cliente, clique em Responsáveis, no menu lateral (cinza);

 

02 - Clique em Novo;

 

03 - Digite os dados do usuário: Nome, CPF e senha, pelo menos;

 

04 - Clique em Inserir.

 

Administrativo / Menu do Cliente.

05 - Para fazer o login, preencha:

 

      CPF/CNPJ - Login do Cliente (Pessoa Física ou Jurídica);

      Senha - Senha do Cliente (Tela de Cadastro de Cliente);

      Login Usuário - CPF do Usuário (Cadastro de Responsáveis);

      Senha do Usuário - Senha do Usuário (Cadastro de Responsáveis).

CONFIGURAÇÕES: ORDEM DE SERVIÇO (MODELO 4) - CONTROLE DE VETORES E CAPINA QUÍMICA

Resumo: Define como funciona especificamente o modelo 4 de Ordem de Serviço feita para Controle de Pragas e Capina Química. £ 

Configuração / Parâmetros do Sistema.

ModeloOrdemServico - Define o modelo da Ordem de Serviço. Neste caso seria o 4;

 

camposMenuCliente - Define quais opções o Menu do Cliente trará;

  

Administrativo / Cadastros Básicos / Empresas.

01 - Após criar ou clicar em editar (lápis) um cadastro de Empresa, clique em Parâmetros, no menu lateral (cinza);

 

02 - Localize e preencha os seguintes parâmetros (clique no lápis para alterar):

      Código do INEA;

      Número Licença Ambiental;

      Validade da Licença Ambiental.

 

Comercial / Produtos / Produtos.

03 - Cadastre aqui Produtos para servirem como Materiais (Herbicidas, Inseticidas, Rodenticidas). Uma dica é usar um Grupo de Produtos ou até mesmo uma Tabela de Produtos para fazer uma melhor organização.

 

Serviços / Gestão de Equipamentos / Equipamentos.

04 - Cadastre aqui Equipamentos (Pulverizador, Atomizador, Armadilhas). Os campos a seguir são mais importantes:

      Serial - Código do Equipamento;

      Modelo - Nome/Descrição do Equipamento.

 

05 - Pode ser que seja necessário cadastrar Tipos de Equipamento, outra opção dentro de Gestão de Equipamentos.

 

Serviços / Controles Técnicos / Ordem de Serviço.

06 - Crie ou clique para editar (lápis) uma Ordem de Serviço. Pode consultar o FAQ ABERTURA E ENCERRAMENTO DE ORDEM DE SERVIÇO para mais detalhes;

 

   06.01 - Ao criar, o sistema irá perguntar se deseja abrir uma Ordem de Serviço de Controle de Vetores e Pragas Urbanas ou Capina Química. Selecione a desejada.

 

07 - Abaixo do campo Técnico, podem-se marcar opções do tipo de praga a ser combatido neste serviço. O que for marcado aqui, aparecerá marcado no PDF da Ordem de Serviço;

 

08 - Clique na Aba Materiais à esquerda (a O.S.  precisa ter sido inserida) e selecione os Materiais que serão usados nessa Ordem de Serviço, confirmando no botão Inserir esta linha;

 

09 - Clique na Aba Equipamentos à esquerda (a O.S.  precisa ter sido inserida) e selecione os Equipamentos que serão usados nessa Ordem de Serviço, confirmando no botão Inserir;

 

10 - Após inserir todos os dados necessários, clique em Sair (menu à esquerda) para retornar à tela de consulta. Selecione sua(s) Ordem(ns) de Serviço e clique em Imprimir Várias para gerar o PDF a ser impresso.

 

 

CONFIGURAÇÕES: INTEGRAÇÃO COM BALANÇA

Resumo: Mostra informações que permitem configurar a integração do MyHeaven com balanças digitais (Self-service, rações). £ 

 

(MyHeaven) Configuração / Parâmetros do Sistema.

(PDV) Menu (Alt+1) / Configurações / Parâmetros do Sistema.

identificadorPesoBalanca - Define o número inicial da referência gerada pela balança, geralmente é 2;

tamanhoReferenciaBalanca - Define o número de dígitos que a referência  de produto da balança possui, geralmente 4;

operacaoBalanca - Define se a parte final da referência da balança trabalha com quantidade ou valor (preço).

  

(MyHeaven) Comercial / Produtos / Produtos.
(PDV) Menu (Alt+1) / Produtos.

01 - Após criar ou clicar em editar (lápis) um cadastro de Produto, selecione a aba Informações Adicionais;

02 - Vá ao campo Produto Pesado e selecione Sim, clique em Alterar para salvar.

 

> Exemplo de referência de balança com EAN13 (Opera com valor):

Dígito Identificador: 2

Referência de Produto: 1414

Valor gerado pela pesagem: R$35,90

Dígito Verificador: 0

Exemplo: 2141400035900

 

 > Exemplo de referência de balança com EAN13 (Opera com quantidade):

Dígito Identificador: 2

Referência de Produto: 1414

Quantidade gerada pela pesagem: 523,25g

Dígito Verificador: 0

Exemplo: 2141400523250

 

CONFIGURAÇÕES: ALTERAR O MODELO DE ORDEM DE SERVIÇO

Resumo: Traz informações sobre os diferentes modelos de romaneio (Movimentação de Estoque) do MyHeaven e como configurá-los.£

 

Configuração / Parâmetros do Sistema. 

ModeloOrdemServico - É o parâmetro que define o modelo de ordem de serviço vigente;

 

01 -  Encontrar o parâmetro ModeloOrdemServico;

01.01 - Utilizar a ferramenta busca rápida para procurar ModeloOrdemServico em ordem de encontrar o parâmetro mais rapidamente.

 

02 -  Clicar na figura do lápis (Editar o Registro) ao encontrar o parâmetro;

 

03 -  Inserir no campo Valor o número do modelo desejado;

 

04 -  Segue a lista dos modelos disponíveis no sistema:

Modelo 01 - TV a cabo / internet;
Modelo 02 - (Inutilizado);
Modelo 03 - Genérico com pesquisa;
Modelo 04 - Capina química / controle de vetores;
Modelo 05 - Condicionador de ar com avarias.

GERAR ARQUIVO REMESSA: BOLETO NÃO ENCONTRADO

Resumo: Contém possíveis soluções para o erro "Boleto não encontrado" ao tentar gerar arquivo de remessa. £

Finanças / Cadastro / Conta Corrente

01 - Verificar o cadastro da conta corrente. Ver, por exemplo, se ela tem a forma de pagamento cadastrada.

 

Administrativo / Cadastros Básicos / Formas de Pagamentos / Recebimentos 

02 - Verificar o cadastro da forma de recebimento. Ver, por exemplo, se o campo conta corrente está inserido com a conta que você cadastrou.

 

Configuração / Parâmetros do Sistema / idFormaCobranca 

03 - Verificar se a forma de recebimento utilizada na venda por boleto está na tabela da direita.

 

Administrativo / Clientes / Editar (Lápis) / Preferências

04 - Checar se o campo conta corrente está com a conta corrente utilizada para a geração deste boleto.

PROCEDIMENTOS PARA GERAR COBRANÇA E FATURAMENTO

Resumo: Contém informações de como usar a função Gerar Cobrança/Faturamento, configurações correspondentes e parâmetros importantes.£

1) Configuração dos Parâmetros de Empresa
Administrativo / Cadastros Básicos / Empresas

Siga para a tela de parâmetros e pesquise os seguintes itens:

ultimoNumeroRpsNfse
Este parâmetro armazena o último número da NFS-e.

seqCobranca
Este parâmetro armazena o último número da Nota de Locação.

gerarImpNfse
Este parâmetro armazena o valor (normalmente um ID) da opção referente ao Grupo de Produtos 3 (padrão: Tamanho) e que, quando selecionado, determina que o produto deve reter impostos.

gerarContratoClientesSeparado
Este parâmetro determina se as cobranças são geradas somando o valor de todos contratos de um cliente em um lançamento ou separa todos os lançamento por contrato.


2) Configuração dos Parâmetros do Sistema
Configuração / Parâmetros do Sistema

Pesquise os seguintes itens:

modeloMovimentacao
Este parâmetro armazena o ID referente ao modelo de romaneio que o cliente utiliza.

idReferenciaBordero
Define como padrão uma referência para a área de integrações do borderô.


3) Configuração no Cadastro de Clientes
Administrativo / Clientes

Dia do Vencimento
Determine a data de vencimento que devem gerar no faturamento e cobrança.

Conta Corrente
Selecione a conta corrente responsável pelo recebimento do faturamento.


4) Configuração no Cadastro de Produtos
Comercial / Produtos / Produtos

Grupo de Produtos 3 (padrão: Tamanho)
Selecionar a opção que foi configurada em parâmetros de empresa, no item gerarImpNfse.


5) Configuração no Cadastro de Planos
Serviços / Cadastro / Planos

Produtos para Integração
Selecione o produto de integração no plano de acordo com a necessidade de retenção de impostos.

 

6) Configuração no Tipo de Movimentação
Comercial / Cadastro / Tipos de Movimentação

Localize o tipo de movimentação que utiliza para gerar o faturamento e cobranças por padrão e configure para não lançar financeiro e nem caixa.


7) Processo Operacional

Serviços / Contratos / Gerar Cobrança ou Faturamento
Utilize essa tela para gerar os lançamentos de cobrança e faturamento.

Finanças / Movimento Financeiro / Borderô de Pagamento ou Recebimento
Utilize essa tela para Exportar para Movimentação os lançamentos gerados.

Comercial / Movimentações / Movimentação de Estoque
Utilize essa tela para Finalizar os lançamentos exportados.

Finanças / Movimento Financeiro / Borderô de Pagamento ou Recebimento
Analise que em seus lançamentos finalizados, o número do documento foi atualizado com RANFS.

Utilize essa tela para imprimir o romaneio da Nota de Locação e também para imprimir boletos e enviar e-mails com os boletos.

Nota Fiscal Eletrônica de Serviço
Utilize essa tela para emitir e imprimir a NFS-e.

ALGUNS ITENS DO MENU PRINCIPAL NÃO APARECEM APÓS ATUALIZAÇÃO DE VERSÃO DO SISTEMA

Resumo: Após acessar o sistema na primeira vez, após uma nova versão estar disponível, o sistema pode não exibir alguns itens. £

SOLUÇÃO:
Saia (clicando no botão Sair) e refaça o login.

ERRO AO ABRIR PORTA ECF

Resumo: Possibilidades de solução para o erro de abertura de ECF. £

MOTIVO:
O Computador não está se comunicando corretamente com a Impressora Fiscal.

SOLUÇÃO
Verificar se o Cabo de comunicação do computador com a impressora esta ruim ou mal encaixado.
Verificar se a Porta COM ou USB do computador está ruim ou mal configurada.
Desligar a impressora da energia elétrica por 10 segundos
Programa para geração de arquivo MFD sendo executados ou programas de manutenção das impressoras em execução.
Falta de bobina na Impressora.
Impressora fiscal bloqueada por falta de uso.
Atualizar Dll´s na pasta System32 e PDV.

FECHAMENTO DE CAIXA INCOMPLETO 

Resumo: Traz solução para quando o relatório de fechamento de caixa não lista todas as vendas.

£

MOTIVO:
Provavelmente o número do caixa foi alterado durante alguma operação no sistema como, por exemplo, suporte, atualização de versão e etc. Na visualização do Fechamento de Caixa está sendo informado o número do caixa errado.

SOLUÇÃO:
Acessar Parâmetros => Ponto de Venda => Parâmetros na opção Parâmetro de Trabalho, quadro CX acertar o número do caixa onde o sistema lança suas vendas.
OBS: Normalmente o padrão do PDV é 00 e do Commerce é 01

TELA DE ERRO VAZIA OU SEM DESCRIÇÃO

Resumo: O que fazer quando o sistema apenas exibe uma tela de erro sem informações. £

MOTIVO:
Tabelas do banco de dados ou tabelas temporárias corrompidas.

SOLUÇÃO: 
Excluir tabelas de movimentação temporárias
Se ocorrer o erro no PDV => Acessar a pasta c:\tecsoftware\PDV\PDVMOVIM e excluir todos os arquivos.
Se ocorrer o erro no Commerce, Finance ou MarketUP => Acessar a pasta C:\Tec Software\Zeus\Commerce\ZeusMovim e excluir todos os arquivos
Caso o problema não for resolvido, passe para a próxima etapa. 

Atualizar tabelas do Banco de Dados
Acesse a pasta C:\Tec Software e execute o programa Intelli.exe. Marque as LJs e Zeus e clique em Atualizar (f7).
Espere o processo de atualização terminar e veja se o problema foi resolvido.
Caso não, passe para a proxima etapa. 

Reestruturar as tabelas
Acesse a pasta C:\Tec Software e execute o programa Intelli.exe. Clique no botão Reestruturar.
Selecione a base de dados: Por apelido
Escopo de reconstrução: Todas as tabelas
Selecione o apelido: LJ-01
Marque Eliminar registro e Anotar ações
Clique no botão Iniciar e espere o processo de reestruturação terminar.
Fazer o mesmo procedimento selecionando os outros apelidos (LJs e Zeus).
Realizar o processo de atualização do banco de dados (Ver etapa anterior).

LEITURA X E REDUÇÃO Z

Resumo: Explica brevemente os conceitos de Leitura X e Redução Z nas impressoras fiscais. £

LEITURA X
É o documento fiscal emitido pelo ECF que indica os valores acumulados nos contadores e totalizadores, sem que sejam zerados ou diminuídos esses valores.
Deve ser emitida na abertura das atividades do estabelecimento, em outros casos também pode ser emitida durante o dia para verificação de valores ou após uma sangria

REDUÇÃO Z
È, também, um documento fiscal emitido pelo ECF com informações idênticas às da Leitura "X", mas que importa, exclusivamente, em zerar os totalizadores parciais. A Redução Z deve ser emitida no encerramento diário das atividades do estabelecimento Emitir a Redução Z durante o horário de funcionamento do estabelecimento impedirá a emissão de cupom fiscal, salvo se houver Redução Z pendente
Não é recomendado deixar a emissão da Redução Z para o dia seguinte.

Fundamento: artigo 2º, II e III, da Portaria CAT-55/98 

INTELLIBANK

Resumo: Apontamentos sobre o Intellibank e suas funções mais comuns. £

1 - Entre no Intellibank que se encontra na pasta Tec Software.
2 - Nas tela superior do Intellibank você encontrará três botões: 
Organizar: Atualiza os índices
Atualizar: Atualiza os índices, verifica e atualiza a estrutura das tabelas.
Lixeira: Elimina os registros deletados.
Reestruturar: Restrutura os índices, reconstrói tabelas danificadas e verifica erros nas tabelas.
3 - Na tela a direita, marque os Alias que você quer passar o Intellibank (Ex: Zeus, LJ-01, LJ-02)
4 - Clique o botão Atualizar e espere a atualização dos Alias ser concluída.

ERRO ACCESS VIOLATION

Resumo: Solução para o erro "Access Violation". £

MOTIVO:
Sistema está tentando incluir um registro já existente no banco de dados Travamento do computador durante alguma operação no sistema. Lentidão na rede entre outros

SOLUÇÃO:
Verificar se o cadastro já existe no sistema.
Acessar Parâmetros => Ponto de Venda => Códigos clicar no botão Atualizar Códigos.
Se o erro persistir acessar o Intellibank e atualizar as LJ´s e ZEUS. Se ainda sim persistir o erro entrar em contato com o suporte técnico.

RUNTIMER

Resumo: Solução para o erro identificado como "runtimer". £

MOTIVO:
Não existe Impressora Instalada no Sistema Operacional.

Impressora configurada errada ou com erro.

 

SOLUÇÃO:
Verificar se existe impressora instalada no computador ou se a impressora instalada está configurada corretamente.

Uma solução corriqueira é alterar a impressora padrão, caso já haja outras impressoras instaladas

TABLE IS FULL

Resumo: Solução para o erro "Table is full" (tabela cheia). £

MOTIVO:
As Tabelas CMOVIM, IMOVIM e CREDDEB se encontram cheias.

SOLUÇÃO:
Fazer Backup da pasta Database
Excluir registros das tabelas

No PDV
Atualização => Excluir Movimento. Informe o período e marque a opção Manter Integridade

No Commerce
Suplementos => Excluir Movimento. Informe o período e marque a opção Manter Integridade.

No Intellibank
Acessar Intellibank e clicar no botão Lixeira. Aguardar o fim da exclusão dos dados, fechar o Intellibank e acessar PDV e/ou Commerce normalmente.

Observação
O processo de exclusão pelo PDV e/ou Commerce pode levar minutos ou horas para ser concluído e durante esse período o sistema não poderá ser utilizado. Aconselhamos que seja feito ao fim do expediente ou em uma data onde a empresa não funcione, como fim de semana ou feriado.

TABELAS DANIFICADAS FASE 1 OU FASE 2

Resumo: Solução para erros de FASE 1 ou FASE 2, tabelas danificadas. £

MOTIVO:
Arquivos temporários da movimentação de estoque foram corrompidos Normalmente este erro está ligado ao desligamento do computador com o PDV/Commerce aberto, travamento do computador com PDV/Commerce aberto, travamento do PDV/Commerce durante uma operação de movimentação, falha na comunicação do PDV com a Impressora Fiscal, lentidão na rede, lentidão do computador entre outras coisas.

SOLUÇÃO:

No PDV:
Acessar Meu Computador => Disco Local (C:) => Tec Software => PDV => PDVMOVIM e apagar todos os arquivos que se encontram dentro da pasta. (PDV tem que estar fechado).

No Commerce:
Acessar Meu Computador => Disco Local (C:) => Tec Software => Zeus => Commerce => ZeusMovim e apagar todos os arquivos que se encontram dentro da pasta. (Commerce tem que estar fechado).

OBS: Caso o erro persista. Feche o sistema e todas as estações.
Acesse o caminho: Meu Computador => Disco Local (C:) => Tec Sofware => aplicativo Intelli (Ou Intellibank).
Na parte direita da tela deixe marcado apenas as LJ´s e ZEUS e pressione o botão F7.
Espere o procedimento de Atualização do Banco de Dados terminar e abra o sistema.
Se o erro persistir, entre em contato com o Suporte Técnico.

'*****' IS NOT A VALID INTEGER VALUE

Resumo: Solução para o erro '*****' IS NOT A VALID INTEGER VALUE. £

MOTIVO:
No cadastro de empresas o código do último produto cadastrado está com o valor '*****'

SOLUÇÃO:
NO PDV:
Parâmetros, Cadastros, Empresas => Preencher campo Último Produto Cadastrado com seu respectivo código.
NO COMMERCE:
Cadastros, Empresas => Preencher campo Último Produto Cadastrado com seu respectivo código.

AO INFORMAR LOGIN E SENHA, A TELA DE LOGIN FECHA E O SISTEMA NÃO ABRE

Resumo: Corrigir problema que impede o sistema de abrir após login. £

MOTIVO:
Tabela Users, Logs ou Setup com erro, danificada ou corrompida

SOLUÇÃO:
Acesse o caminho
Meu Computador => Disco Local (C:) => Tec Sofware => aplicativo Intelli (Ou Intellibank).
Na parte direita da tela deixe marcado apenas as LJ´s e ZEUS e pressione o botão F7.
Se o erro persistir, entre em contato com o Suporte Técnico.

SISTEMA NÃO ABRE

Resumo: Solução para problema comum que pode impedir o sistema de abrir. £

MOTIVO:
Tabela Users, Logs ou Setup com erro, danificada ou corrompida

SOLUÇÃO:
Acesse o caminho Meu Computador => Disco Local (C:) => Tec Sofware => aplicativo Intelli (Ou Intellibank)
Na parte direita da tela deixe marcado apenas as LJ´s e ZEUS e pressione obotão F7
Se o erro persistir, entre em contato com o Suporte Técnico.

EXCEPTION EDBEngine ERROR IN MODULE...INSUFFICIENT MEMORY FOR THIS OPERATIONS ALIAS: aZEUS

Resumo: Solução do erro "EXCEPTION EDBEngine ERROR IN MODULE", ao tentar iniciar o sistema. £

MOTIVO:
O sistema já está sendo executado ou existe mais de uma instância do mesmo sendo executado nos Processos do Sistema Operacional.

SOLUÇÃO:
Reiniciar o computador ou Finalizar a instância em execução.

DIRETÓRIO PRIVADO EM USO

Resumo: Ao tentar abrir o sistema, o mesmo exibe o erro "DIRETÓRIO PRIVADO EM USO". £

MOTIVO:
O sistema já está sendo executado ou existe mais de uma instância sendo executado nos Processos do Sistema Operacional

SOLUÇÃO:
Reiniciar o computador. Finalizar a instância em execução instância do mesmo

DESINSTALAR EMISSOR NF-e

Resumo: Passos de como remover o Emissor Fiscal da SEFAZ. £

SOLUÇÃO:
Remover o ícone do Desktop
Acessar Painel de Controle => Java
Na aba Geral, clicar no botão Exibir
Clicar com o botão direito do mouse em cima da aplicação "Emissor de Nota Fiscal Eletrônica - Versão de Testes" ou "Emissor de Nota Fiscal Eletrônica" e escolher a opção Delete.

Também é possível selecionar a aplicação e clicar no X que se encontra nas opções acima.

RECUPERAR TABELAS DO BACKUP

Resumo: Traz um procedimento seguro de como restaurar tabelas vindas de backup. £

SOLUÇÃO:
Verificar qual a tabela está com erro
Acessar o diretório onde se encontra o banco de dados do sistema, normalmente fica no caminho:
C:\Tec Software \Zeus\Database
Na pasta de origem: C:\Tec Software\Zeus\Database ou na pasta C:\Tec Software\Zeus\Database\LJ-01...
Procure a tabela que será substituída e exclua a extensão DB e MB se existir,
Se a tabela tiver arquivos com extensão PX, XG0, XGD, YG0 e semelhantes também realize a exclusão.
Acesse a pasta onde está localizado o Backup do sistema, localize a tabela e copie as extensões DB e MB se existir para a o banco de dados de origem.
Após por a tabela na pasta de origem, acessar o Intellibank, marcar LJ e ZEUS e atualizar.

Por segurança, realizar uma cópia do banco de dados (Copiar a pasta Database)

LENTIDÃO NA EMISSÃO DE MOVIMENTAÇÃO

Resumo: Principais motivos para lentidão na realização de movimentações (vendas, entradas, lançamentos) no sistema. £

MOTIVO:
Rede com lentidão
Tabelas do Banco de Dados cheias.
Impressora Fiscal com dll´s desatualizadas

SOLUÇÃO:
Verificar a rede, suas configurações, cabeamentos, roteadores, hub´s...
Verificar se as tabelas do Banco de Dados se encontram cheias
Atualizar dll´s nas pastas System32 e PDV

GERAR MFD EPSON

Resumo: Passos para emissão de MFD em impressora fiscal EPSON. £

SOLUÇÃO:
Abra o aplicativo 
EPmfd3 O PDV tem que estar fechado.
Assim que abrir, o sistema carregará e informará as seguintes informações na tela:
Assim que abrir, o sistema carregará e informará as seguintes informações na tela:
Clique na opção Habilitar / Desabilitar EAD.

O sistema emitirá a seguinte mensagem: Assinatura Digital EAD Habilitada!, clique em Ok.
(ESTE PROCEDIMENTO DEVE SER FEITO APENAS NA PRIMEIRA VEZ QUE ACESSAR O SISTEMA)
Feche o sistema e abra novamente.

Clique em Extrair Dados de uma Impressora (ECF)
A impressora será detectada automaticamente, caso contrário informe a Porta onde a impressora está configurada e a velocidade (Normalmente 9600).
Clique em Gerar Arquivo MFD (Cupom Mania - RJ) e depois clique em Avançar.
Informe a data inicial e a data final do mês que deseja extrair o arquivo e depois clique em Avançar.

Escolha o local do Computador onde deseja salvar o arquivo MFD e clique em Salvar e depois clique em Avançar.
(De preferência crie uma pasta MFD em Meus Documentos ou no Desktop).
Depois disso o sistema irá puxar as informações da impressora. Isso pode levar alguns minutos.
Quando terminar a extração do arquivo o sistema dará a opção de Abrir o Arquivo MFD ou de sair. Clique em Sair.

Pegue o arquivo criado na pasta escolhida e envie para o site do SEFAZ, ou Contador ou responsável pelo arquivo.

GERAR MFD DARUMA

Resumo: Passos para emissão de MFD em impressora fiscal DARUMA. £

SOLUÇÃO:
Descompactar o arquivo GAD - DARUMA
Abra a pasta DarumaFrameWork_DLL, copie as dll´s que se encontram dentro da pasta e cole no caminho C:\Windows\System32.
(Se durante o processo de copia pedir para substituir arquivos, clique em Sim)
Execute o aplicativo GAD.exe que se encontra dentro da pasta GAD

Na opção Relatórios marque a opção Memória Fita Detalhe (MFD)
Na opção Intervalos marque a Data e informe a data inicial e a data final do mês que deseja puxar o relatório.
Na opção Geração dos Relatórios informa o caminho onde deseja salvar o arquivo MFD.
Marque a opção â??Assinar digitalmente os relatóriosâ?.

O GAD abrirá automaticamente a uma tela onde será necessário localizar o arquivo chavepri.key.
Localize esse arquivo, que se encontra dentro da pasta onde foi extraído o GAD ? DARUMA e depois clique no botão GERA RELATÓRIOS.
Espere até que o programa gere os arquivos (Isso pode levar alguns minutos)

Ao concluir, abra a pasta onde foi salvo o arquivo e envie para o site da SEFAZ, Contador ou responsável pelo recolhimento do arquivo.

GERAR MDF BEMATECH

Resumo: Passos para emissão de MFD em impressora fiscal BEMATECH. £

SOLUÇÃO:
Para gerar os Arquivos é necessário os seguintes Programas, BEMATOOL 3.0.5 e o WINMFD2

PROCEDIMENTO NO BEMATOOL:
Abra o BEMATOOL 3.0.5 e Clique em LOCALIZAR IMPRESSORA
Aparecerá a mensagem: "Impressora fiscal localizada com sucesso", clique em OK
Clique na opção MF - MFD e informações do ECF
Selecione TOTAL
Clique em Download do arquivo .MFD. 
Na tela "Resposta do ECF", clique OK
Na tela "Download da MFD", clique em Sim
O arquivo MFD será salvo na pasta RELATÓRIOS que fica localizada. C:\Arquivos de Programas\Bematech\BematoolPro\Relatorios
Após isso devemos transformar o arquivo MFD. Abra o programa WinMFD2.

PROCEDIMENTO NO WINMFD2:
Primeiro devemos configurar a Porta de Comunicação e o Modelo do Equipamento no WinMFD2.
Comunicação\Porta Impressora\COM1, COM2, COM3... USB
Comunicação\Modelo Impressora\MP2000THFI, MP2100THFI
Agora que já foi configurado o Modelo e a Porta da Impressora, Precisamos saber qual tipo de Arquivo devemos Gerar.

  • 2.1 ? CAT 52
  • 2.2 ? TXT
  • 2.3 ? Sintegra Tipo 60
  • 2.4 ? Sintegra Tipo E (MF / MFD / TDM / RZ / RFD)
  • 2.5 ? Sped Fiscal

2.1 ? CAT 52

Clique em â??Arquivo\CAT-52â?

Clique em â??Gerar do Arquivo MFD (Memória de Fita Detalhe)â?

 

NÃO CONSEGUE FAZER A LEITURA X

Resumo: Possíveis soluções para quando a impressoa fiscal não consegue emitir a Leitura X. £

Verificar se existe Redução Z pendente do dia anterior;

Verificar se a Impressora Fiscal está se comunicando corretamente com o computador.

ERRO FASE 2 TABELAS ESTÃO CORROMPIDAS

Resumo: Solução para erro de tabelas corrompidas - FASE 2 - no PDV (Zeus). £

Abrir o diretório onde está a pasta Tec Software

Abrir a pasta PDV

Dentro da pasta PDV, entrar na pasta PDVMOVIM

Exclua todos os arquivos dentro da pasta PDVMOVIM, não se preocupe, são arquivos temporários

Após isso, tente abrir novamente o seu PDV

Todos os direitos reservados a Tec Software®